Após 19 dias de apagão, Bolsonaro é recebido por manifestantes e apoiadores no Amapá

Com atraso de quase três semanas, o presidente Jair Bolsonaro chegou ao Amapá neste sábado (21) e foi recebido com protestos. O estado vive um cenário de crise energética desde o último dia 3, quando um blecaute total afetou 13 dos 16 municípios, incluindo a capital, Macapá.

 

Ao desembarcar, Bolsonaro era aguardado por apoiadores, como é comum nas viagens oficiais, mas também por moradores insatisfeitos. Os protestos se estenderam ao governador do estado, Waldez Góes (PDT) e até mesmo ao presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

 

Manifestantes gritaram "fora, Bolsonaro", "fora, Waldez", "fora, Davi" e outras palavras de ordem, enquanto o presidente cumprimentava outra parte dos moradores. Apoiadores de Bolsonaro responderam aos protestos com gritos de "mito".

Crise no Amapá

A crise energética no Amapá começou há 17 dias, em 3 de novembro, quando uma explosão no principal transformador da região gerou um blecaute total no estado. Desde então, o Amapá ainda não voltou a contar com abastecimento elétrico constante.

Na última terça-feira (17), enquanto a população ainda lidava com um esquema de racionamento em horários alternados, houve um novo blecaute total. Desta vez, o quadro foi revertido em cerca de 5 horas, quando a energia voltou ao regime de rodízio.

Em visita ao Amapá nesta sexta, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que o prazo para a normalização do serviço é 26 de novembro.

Após 19 dias de apagão, Bolsonaro é recebido por manifestantes e apoiadores  no Amapá | Blog do Gerson Camarotti | G1

G1

-

Esportes

Bahia segura o Unión Santa Fé, arranca empate sem gols e avança na Sul-Americana

Brasil

Após Criciúma, Cametá, no Pará, também sofre com ataques de quadrilha
© 2020. Catolé News. Todos os direitos reservados