Catolé News

Entrevista da Semana

10 de Fevereiro de 2017 Humberto Vital - 835 pessoas já leram.


Médica cubana não quer deixar o Brasil e se insurge contra Havana

A médica cubana Iramis Maria Camejo Solano, há quase três anos trabalhando no Mais Médicos, conseguiu na Justiça o direito de prolongar sua permanência no programa. A decisão do juiz federal Renato Câmara Nigro, da Justiça Federal em Campinas, obriga o governo federal a renovar o contrato de trabalho da médica, que vence em março – sem a decisão, ela teria de retornar para Cuba.

Mas há um outro pedido, ainda nas mãos do juiz, que poderá mudar a configuração do Mais Médicos, pelo menos para os profissionais de Cuba a serviço no Brasil: Iramis quer receber o salário integral, sem descontar a parte que o Brasil, por contrato, destina ao governo cubano.

Pela negociação fechada com Havana pelo governo petista de Dilma Rousseff, o Brasil paga pelos serviços de cada médico cubano 11.500 reais,  que são repassados diretamente ao regime de Raúl Castro. Apenas uma parte desse valor, 2.976 reais, é destinada aos profissionais. Iramis, que dá expediente em um posto de Campinas, quer receber o valor integral – a exemplo dos médicos brasileiros e de outras nacionalidades que servem ao programa.

Nesta entrevista a VEJA, a médica  falou sobre os problemas que ela seguramente terá com o governo de Cuba por causa do pedido feito à Justiça brasileira.

iramis-o 

A senhora está satisfeita com a decisão do juiz? Para mim foi uma surpresa boa. Estou muito grata. Quero ficar no Brasil. O tratamento com os cubanos no programa Mais Médicos é diferente. Acho um pouco injusto não ter o mesmo tratamento dado a outros médicos estrangeiros. Eu já ajudei bastante meu país durante três anos. Acho que eles ficaram com boa parte do salário nosso. Foi uma ajuda da minha parte para meu país, eu contribuí muito e acho justo que eu tenha o direito, sou médica e, estou querendo fazer minha vida no futuro.

 

A sua família está toda em Cuba? Tenho dois primos no Brasil. Um é treinador de tênis, mora aqui há 20 anos. Outro primo que está há 3 anos no Brasil. Meu filho está lá, mas está vindo dentro de pouco tempo. Ele já veio duas vezes. É assim, eu vou de férias, e ele vem. Mas minha família está lá. Eles podem vir, podem ficar comigo aqui.

 

Quanto a senhora recebe hoje? Do salário total que o Brasil paga para Cuba, eu recebo 2.976,26 reais. A prefeitura (de Campinas, onde ela trabalha) paga moradia e alimentação.

 

Essa parte, com os descontos, é suficiente para um médico viver bem? É muito pouco, a gente se vira, não pode comprar uma coisa de luxo. É uma vida bem simples. O salário está baixo, a economia tem apresentado dificuldades aqui no Brasil desde 2015, a inflação subiu, há muita dificuldade. É um salário que, na verdade, não é bom.

 

A senhora teme sofrer retaliação do governo de Cuba por ter pedido o direito de receber o salário integral? As consequências são duras. Eles têm uma lei que, se você abandona a missão médica ou fica no outro país quando está num trabalho médico, você não pode entrar lá em oito anos. Para mim, isso é bem difícil. Eu até posso trazer a minha família, eles podem vir, mas tenho outros familiares lá que não podem vir, tenho minha avó, tenho primos. Amo meu país, gosto do meu país, mas a lei acho que é um pouco injusta.

 

A senhora está disposta a passar oito anos impedida de voltar a Cuba? Se eu sair fora do contrato que tenho com eles, para ficar num contrato independente, é como se eu tivesse abandonado o Mais Médicos. Eles têm essas leis. É difícil para nós. Eu acho isso injusto.

 

Eles chegaram a ameaçar a senhora por ter entrado na Justiça? Não me ameaçaram, nem sabem o que estou fazendo. Simplesmente procurei o advogado e expliquei o que estava querendo fazer e fiz. Estou trabalhando normalmente. Nem falei para meus coordenadores de Cuba. Minha intenção é ficar com meu salário integral.

 

A expectativa da senhora é que o juiz conceda o salário integral para a senhora? Sim. Estou no prazo de terminar minha missão, ajudei bastante meu país, trabalhei durante esses três anos, minha população em Cuba está muito contente, muito grata pela minha atenção, vou continuar sendo a mesma médica, cada vez melhor. Eu agora tenho que me virar para mim, para minha família. Fiquei três anos, às vezes com depressão, às vezes com saudades. A operadora de telefonia ficou milionária comigo, porque eu ligo sempre para Cuba, é bem difícil. Nós enfrentamos um monte de coisas, preconceito, inicialmente até da população, de funcionários, lá dentro da unidade, muitas vezes, enfrentamos muitas coisas. Superei tudo isso, fui uma boa profissional, tudo para ajudar o povo do Brasil e para melhorar a economia (de Cuba), mas está na hora de eu fazer mais para mim e para minha família.

 

Sua iniciativa deve inspirar outros médicos cubanos? Acho que outros médicos cubanos vão seguir esse exemplo. No geral, no Brasil há gente que tem interesse de entrar na Justiça e que quer ficar no programa.

 

Por Hugo Marques / Veja Online 

 



-

Outras Notícias

Giro da Notícia

Catolé News - O portal que dá notícias da nossa gente!
Rua José Bonifácio, 34 1º Andar Bairro do Batalhão - Catolé do Rocha Paraíba
Telefone: (83) 8851.1734 - 9642.0101
E-mail: catolenews@gmail.com