Devido ao movimento “Diga Não ao Extra de Fome” viaturas do 6º BPM só estão trabalhando com dois homens

A segurança pública, através da Polícia Militar do Estado da Paraíba, sentiu o impacto devido a adesão dos policiais ao movimento “Diga Não ao Extra de Fome”, que visa pressionar o Governador João Azevedo (PSB) diante do valor pago pela escala extra que é realizada para suprir carência diante do baixo contingente da corporação.
 

Na cidade de Cajazeiras, os efeitos já estão sendo notados e vários policiais não aceitaram trabalhar na folga diante do valor de R$ 149,00 para o trabalho extra de 24 horas. De acordo com relatos, viaturas que deveriam circular pela cidade, foram resumidas. Nestas viaturas foram vistos 2 policiais em vez de 3 como é o correto.

 

Até o momento, não houve um posicionamento do Governo do Estado da Paraíba e nem do Comando-Geral da Polícia Militar do Estado da Paraíba sobre o movimento que está causando desfalque em quase todos as regiões. A carência de Policiais Militar é de quase 50% e para amenizar o problema, o Governo tem apelado para a compra do serviço extra e da folga dos policiais.

 

A categoria assegura que vai continuar o movimento até que seja revisto o valor pago pelo Governo do Estado da Paraíba. Representantes políticos já começam a se posicionar para sensibilizar o Governador João Azevedo diante do problema que pode fragilizar ainda mais a segurança pública na Paraíba.

 

 

-

Policial

Agência dos Correios de Santa Cruz na PB é explodida por bandidos na madrugada desta quarta-feira

Brasil

Prefeito é chantageado com material sexual no Interior; vice e vereador denunciados
© 2019. Catolé News. Todos os direitos reservados