PF deflagra operação contra traficantes que mandavam drogas do AM para RN e PB em caminhões boiadeiros

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (19), uma operação contra uma suposta organização criminosa suspeita de tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro e que atua nas regiões Norte e Nordeste do país. Comandada pelo Rio Grande do Norte, a ação cumpre mandados em Manaus.

Os alvos da ação usariam venda e transporte de animais para disfarçar o tráfico. De acordo com a PF, são cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em Manaus, além de ordens judiciais de sequestro de bens e bloqueio de valores. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Macaíba, localizada na região metropolitana de Natal.

A corporação informou que as investigações começaram no início em junho deste ano, quando houve a prisão de dois cearenses realizada pela Polícia Rodoviária Federal na cidade de Macaíba, RN. Na ocasião, 72 quilos de maconha foram encontrados um caminhão boiadeiro.

A partir daí, a PF iniciou diligências e detectou "uma intensa movimentação financeira incompatível com as atividades dos investigados", inclusive, envolvendo parentes e pessoas próximas. Tudo relacionado à atividade de tráfico de entorpecentes.

Ainda segundo os investigadores, o grupo é baseado na capital do Amazonas, e adquiriu fazendas, casas de alto padrão e haras, além de gado e cavalos, para "lavar" o patrimônio adquirido com o dinheiro do tráfico.

Para transportar a droga camuflada em caminhões “boiadeiros”, especialmente para o Rio Grande do Norte e Paraíba, os criminosos utilizavam a compra e venda de animais. A PF estima que o patrimônio obtido pela organização criminosa com o tráfico alcance aproximadamente R$ 4 milhões.

 

Mandados identificaram mansões e carros de luxos com os quais criminosos lavavam dinheiro no Amazonas — Foto: Divulgação/PF

G1RN

-

Brasil

Brasil registra mais de 50 mil casos de Covid-19 em um dia, mostra consórcio de imprensa

Brasil

Vacinação contra Covid deve começar com idosos, profissionais da saúde e indígenas, diz Ministério da Saúde
© 2020. Catolé News. Todos os direitos reservados